CoDAF - Competências Digitais para Agricultura Familiar


A demanda por produtos orgânicos é cada vez maior no cenário atual e isso implica no uso de métodos alternativos para controle de pragas, trocando a aplicação de inseticidas pelo uso de armadilhas e repelentes naturais, que podemos acompanhar com mais detalhes a seguir.

Uma das pragas que mais afetam as hortas são os caramujos e lesmas, segundo os pesquisadores Francisco José Zorzenon e Tércio Barbosa de Campos do Instituto Biológico. Os pesquisadores, em uma publicação no site Infobibos, relatam que esses animais raspam as folhas, caules e brotos novos com uma estrutura chamada rádula, e em infestações severas podem levar à morte das plantas.

No método tradicional, uma alternativa para controle desse tipo de praga era embeber sacos de tecido com leite ou cerveja no entardecer e estendê-los junto a cultura infestada. Pela manhã é necessário coletar os caramujos que estarão grudados no pano, colocá-los em um recipiente e jogar sal.

No entanto, este método possui um gasto elevado comparado com a adaptação sugerida pela Embrapa Pantanal (MS).

A adaptação consiste na preparação de um caldo com cebolinha ao invés de leite ou cerveja, e da mesma maneira deve-se colocar o pano embebido com a calda sobre a cultura infestada e após isso coletar os caramujos.

De acordo com um teste realizado durante uma semana por Alberto Feiden, pesquisador da Embrapa Pantanal, a calda que teve a maior eficiência foi a de cerveja, em segundo lugar ficou a calda de cebolinha.

Durante os testes, foram testados outros produtos que possuem princípios bioativos, como a pimenta, fumo, sabão de coco, óleos extraídos de plantas, para pulverização ou injeção no solo, e segundo Aurélio Vinicius Borsato, pesquisador da Embrapa Pantanal, os resultados preliminares indicam benefícios nestas soluções para o controle de pragas.

Além das técnicas alternativas para controle de pragas, a Embrapa Pantanal também estuda plantas medicinais que podem repelir pragas, ou seja, se o agricultor realizar o consórcio entre hortaliças e essas plantas medicinais, terá a incidência de pragas reduzida.

Nos testes realizados pelos pesquisadores da Emprapa, utilizou-se plantas como o manjericão, alecrim, arruda e cravo-de-defunto, e Borsato. Os testes realizados confirmaram que o consócio entre plantas medicinais e hortaliças repeliu formigas cortadeiras, vaquinha, burrica, mosca-branca, lagarta-minadora, gafanhotos e pulgões.

Para os agricultores que desejam cultivar produtos orgânicos, existem diversas técnicas que podem ser utilizadas para repelir ou capturar os insetos predadores de suas hortas, no entanto, essas técnicas variam de região para região e deve ser testada antes de afirmar se elas são realmente eficazes e devem sempre ser consultadas a um especialista em controle de pragas.


Veja a matéria na íntegra acessando ao link: Jornal Dia a Dia

A veracidade das informações disponibilizadas nesta página, assim como das imagens e das fotografias, são de inteira responsabilidade das fontes de informação citadas, não refletindo necessariamente a opinião ou o posicionamento do projeto de extensão Competências Digitais para Agricultura Familiar (CoDAF), de seus colaboradores e de instituições vinculadas ao projeto.

Revisado por Cristina Tokoyo Hashimoto
Publicado por Leonardo Felipe Franchi
Voltar ao topo
2016 CoDAF. Todos os direitos reservados. | Termos de Responsabilidade de Uso | Política Privacidade e Uso
E-mail: codaf@tupa.unesp.br | Facebook: http://fb.com/CoDAF.UNESP | Twitter: http://twitter.com/CODAF_UNESP
Rua Domingos da Costa Lopes, 780 - Jardim Itaipu - Tupã, São Paulo - Brasil. CEP: 17602-496 | Telefone: +55 (14) 3404-4247

Logotipo Unesp Logotipo da CAPES Logotipo do Creative Commons