Main menu

série histórica

  • Análise da série histórica da produção de Cana-de-Açúcar publicada pela CONAB.

    A Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) é vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA e foi criada pelo Decreto Presidencial, autorizada pela Lei nº 8.029 de 12 de abril de 1990. A CONAB inciou suas atividades em 1º de Janeiro de 1991, e é resultado de uma fusão de três organizações estatais: COBAL (Companhia brasileira de Alimentos), CFP (Companhia de Financiamento da produção) e CIBRAZEM (Companhia Brasileira de armazenamento).

    A CONAB tem como objetivo realizar o levantamento de dados sobre séries históricas de preços, dados sobre o custos da produção da agropecuária, a previsão de plantios e colheita de grãos, volume e localização de estoques públicos e privados. A Companhia está presente em todas as regiões brasileiras, fornecendo dados sobre diversos tipos de culturas em diversos municípios do país. Seu objetivo é fornecer dados a respeito de diferentes tipos de mercados agrícolas, proporcionando ao produtor rural previsões para atender a demanda dos consumidores.

    Informações sobre a origem dos dados

    A Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) é uma empresa pública de âmbito nacional, que fornece dados sobre diversos tipos de produtos agrícolas, podendo ajudar nos processos de planejamento da produção.

    A companhia realiza estudos estatísticos para disponibilizar dados sobre preços, custo de produção agropecuária, expectativa de plantio e colheita de grãos, localização e volume de estoque, produção sucroalcooleira e dados sobre safra de café e cana-de-açúcar.

    • Nome da fonte escolhida:"Cana-de-Açúcar Brasil: Série Histórica da Área Plantada – Safra 2005/06 a 2016/17";
    • Descrição do processo de navegação até a fonte:

    Para acessar a fonte de dados primeiramente digite no navegador o seguinte link: www.conab.gov.br

    Será aberta a página inicial do site da CONAB:

    01

    Para acessar a fonte de dados têm-se dois passos. O primeiro é clicar em Áreas mais acessadas (1), na sequência clicar em Séries Históricas (2).

    02

    Será aberta outra página na qual se encontra o filtro das pesquisas(3):

    03

    Deve-se clicar em Ordenar por (4) e clicar em Produto (5);

    04

    Em seguida aparecerá uma lista de produtos, ir para a página dois (6)

    :05

    Nesta etapa o primeiro item é a fonte de dados sobre a Série Histórica da área plantada da cana-de-açúcar, para acessar esses dados, acesse o item Cana-de-açúcar- Agrícola (xls) (7):

    06

    O arquivo irá carregar. Assim que completar o download, clicar em abrir (8):

    07 

    O segundo caminho é clicando diretamente em produtos e serviços (9):

    09

    Clica em safras (10) e na sequência em séries históricas (11):

    10

    Será aberta outra página na qual se encontra o filtro das pesquisas e segue-se os passos igualmente para acessar os dados (voltar à seta com o número 3).

    Informação sobre os Dados

    Os arquivos estão disponíveis para download em formato no formato .XLS, e podem ser abertos por softwares de planilhas eletrônicas, como Microsoft Excel e Libre Office.

    A seguir, apresentam-se os atributos que compõem os conjuntos de dados.

    Região/UF –Regiões brasileira acompanhado dos estados que pertencem. Nas células são descritos no formato de texto, os nomes das regiões e estados de forma abreviada.

    Ano –São exibidos os anos que ocorreram as safras de cana-de-açúcar a partir de 2005/06, e os dados se encerram com uma previsão para a safra do ano de 2017/18.

    A planilha é dividida em três abas, denominadas área, produtividade e produção.

    Área –Nessa aba é descrito a série histórica da área (em mil hectares), a qual cada estado utilizou para a plantação da cana-de-açúcar, de acordo com o ano da safra.

    11

    Produtividade –Nessa aba é apresentado a série histórica de produtividade da cana-de- açúcar, em que os estados alcançaram (em kg/ha), conforme o ano da safra.

    12

    Produção –Nessa aba é relatado a série histórica de produção, onde é descrito nas células a quantidade (em mil toneladas) em que cada estado alcançou em determinada safra da cana-de- açúcar.

    13

    14

    Visualização dos Dados presentes na Fonte descrita

    GRÁFICO 1 –Produção de cana-de-açúcar no Brasil em mil toneladas

    15

    Fonte: CONAB

    O gráfico apresenta um aumento da produção até a safra de 2014/15 em toneladas, com um decréscimo a partir deste período.

    A safra de 2015/16 apresentou o maior nível de produção durante o período demonstrado pelo gráfico, de 665 milhões de toneladas de cana-de-açúcar.

    GRÁFICO 2 –Produção de cana-de-açúcar das macrorregiões brasileiras - safra de 2016/17 em mil toneladas

    16

    Fonte: Conab

    Ao analisar a produção de cana-de-açúcar do Brasil em macrorregiões Centro-Sul e Norte-Nordeste, é possível observar que a macrorregião Centro- Sul é responsável pela maior parte da produção de cana-de-açúcar do país, de 93%.

    GRÁFICO 3 –SÉRIE HISTÓRICA DA PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR DAS SAFRAS DE 2005/06 A 2016/17 EM MIL TONELADAS

    17

    Por meio do registro dos dados em série histórica da produção de cana-de-açúcar, no período de safra de 2005/06 a 2016/17, é possível perceber a diferença de produção ao longo dos anos entre as regiões brasileiras. A região sudeste do Brasil é a que se destaca em maior produção desde a safra de 2005/06.

    A região Norte brasileira apresenta a menor produção de cana-de-açúcar comparada as outras regiões do país. As regiões Nordeste e Sul, durante o período de safras  de 2005/06 a 2016/17 sofrem quedas na produção de cana-de-açúcar.

    GRÁFICO 4 –Série Histórica de Produtividade em kg/ha das macrorregiões e do Brasil

    18

    Estes gráficos demonstram possíveis análises que podem ser realizadas a partir do uso dos dados disponíveis na fonte representada.

    Autores: Alana Beatriz Cardozo Dos Santos*, Alanis Mayumi dos Santos*, Ana Carolina Jesus Calixto*, Julia, Maria Defavari Sarto*, Natalia Cristina Rodrigues* e Thais Martins Balbi*.

    * Alunas do curso de Administração de Empresas da Universidade Estadual Paulista - "Júlio de Mesquita Filho".

  • Séries históricas da área plantada e produtividade do milho no centro-oeste brasileiro nas primeiras e segundas safras desde 1976/1977 até 2015/2016

    Os dados são originários de levantamentos e estudos realizados pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) com relação a cultura do milho no Brasil. A CONAB disponibiliza tais informações para sociedade, em geral, e para elos da cadeia do milho, em específico, com vistas à auxiliar os agentes dessa na tomada de decisão com base em informações de relevância, qualidade e confiabilidade.

    Informações sobre a origem dos dados

    A função da CONAB é fornecer subsídios para a formulação e execução de políticas públicas agropecuárias para o abastecimento alimentar no país, no âmbito da Política de Garantia de Preços Mínimos, em especial, a Aquisição do Governo Federal (AGF), instrumento capaz de equilibrar a renda do produtor rural, do agricultor familiar e de suas cooperativas, frente a oscilação do preço no mercado (BRASIL, 2017).

    Assim, suas ações contribuem com a decisão do agricultor na hora de plantar, colher, armazenar, seguindo até a distribuição do produto no mercado, além de preservar e estimular uma melhor organização desse mercado (SILVA, 2016).

    Para assegurar a decisão do agricultor, a CONAB realiza estudos de estatísticas de preços, demandas e ofertas, assim como os levantamentos de custos de produção da agropecuária, a expectativa de plantio de colheita de grãos, além do volume e localização de estoques públicos e privados de uma gama de  produtos. A estimativa da produção sucroalcooleira e outras informações pertinentes são estendidas também à safra de café e de cana-de-açúcar (BRASIL, 2017a).

    A CONAB é uma empresa pública vinculadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

    • Nome da fonte: Milho total (1a e 2a safra) - Brasil. Série histórica de área plantada/produtividade. Safras 1976/77 a 2015/2016.

    • Endereço eletrônico para acesso à fonte:  <http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/17_06_08_14_01_06_milhototalseriehist.xls>.

    • Descrição do processo de navegação até a fonte: O acesso se deu pelo seguinte site www.conab.gov.br, foi selecionado a aba “PRODUTOS E SERVIÇOS”, em seguida “SAFRAS” e com isso foi selecionado a opção “SÉRIES HISTÓRICAS”.

    Informação sobre os Dados

    • Formato do arquivo: O arquivo é apresentado em extensão .xls, ou seja, em formato de planilha eletrônica.

    • Descrição dos atributos dos dados: Nesta planilha os dados encontram-se dispostos da seguinte maneira: nas colunas são descritos os anos referentes às safras e nas linhas as regiões, a saber, Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, com seus respectivos estados. A intersecção de linhas e colunas, no caso da aba de produtividade, traz os dados na unidade de kg/ha. Já no caso da aba de área plantada, os dados são apresentados em mil hectares. No entanto, para a finalidade deste trabalho realizamos a conversão desse último para hectares, ou seja, multiplicando por 1000.

    Visualização dos Dados presentes na Fonte descrita

    Gráfico 1 - Área plantada do milho no Centro-Oeste de 1976/77 a 2015/16

    1

    Fonte: Elaborado pelos autores com base em CONAB, 2017.

    Gráfico 2 - Produtividade do milho no Centro-Oeste de 1976/77 a 2015/16

    2Fonte: Elaborado pelos autores com base em CONAB, 2017.

    A partir das linhas obtidas com base nas séries temporais, podem ser observadas as tendências de crescimento ou decrescimento da área plantada ao longo dos anos, no Gráfico 1, ou do crescimento ou decrescimento da produtividade ao longo dos anos, Gráfico 2.

    Com tais informações, apresentam-se como possibilidades quatro cenários, portanto, quatro possíveis possibilidades de leitura desses com relação a área plantada/produtividade, são eles:

    1.  Aumento da área plantada com concomitante aumento da produtividade;
    2.  Aumento da área plantada com concomitante diminuição da produtividade;
    3.  Diminuição da área plantada com concomitante aumento da produtividade;
    4.  Diminuição da área plantada com concomitante diminuição da produtividade.

    Autores: Abner Edwin Perico*, Caroliny dos Santos Hamada*, Daniele Guastalli Moreno*, Fernando da Cruz Souza*, Ingrid Mariano Brito*, João Augusto Rodrigues* e Thaís de Oliveira Rodrigues*.

    * Alunos do curso de Administração de Empresas da Universidade Estadual Paulista - "Júlio de Mesquita Filho".