Tendências agronômicas sustentáveis: uma visão sobre produtos orgânicos na região da nova alta paulista

Maria Eduarda Facioli Otoboni, Pedro Henrique Araújo Silva, Silvia Cristina Vieira Gomes

Resumo


Para esta pesquisa, objetivou-se de maneira geral mapear os agricultores orgânicos no espaço geográfico correspondente a região da Nova Alta Paulista. Como objetivo específico, pontuou-se averiguar a percepção do agricultor que busca ou já possui a certificação orgânica, quanto aos benefícios do selo oficial do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (SisOrg); Investigar junto aos produtores rurais com aptidão de produção orgânica, se existe na região serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural oficial que fomente ou colabore na obtenção do selo e na transição do sistema produtivo convencional para o orgânico; Analisar o conhecimento dos produtores quanto ao entendimento sobre sustentabilidade. Esta pesquisa adotou uma trajetória científica de abordagem qualitativa, ancorada num estudo de caráter descritivo e exploratório. A coleta de dados foi através de questionário, aplicado a produtores rurais que utilizam sistema produtivo orgânico e ou agroecológico. Como resultado foram identificados seis produtores, que se encontram sensibilizados sobre o conceito de sustentabilidade, sendo que três deles possuem certificação segundo a Lei 10.831, de 23 de dezembro de 2003.Com relação a um serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural governamental eficiente, os dados apontaram que existe pouco empenho oficial para fomentar a agricultura orgânica na região da Nova Alta Paulista.


Palavras-chave


Sustentabilidade; Agricultura Orgânica; Certificação; Agroecologia

Referências


BLANC, J. Family farmers and major retail chains in the Brazilian organic sector: Assessing new development pathways. A case study in a peri-urban district of São Paulo. J. Rural Stud., v. 25, p. 322-332, 2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Cadeia produtiva dos produtos orgânicos. Brasília, 2007.

BRASIL. Produtos orgânicos.Legislação de Produtos Orgânicos. 2003 e 2007. Disponível em . Acesso em 10 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo. Controle social na venda direta ao consumidor de produtos orgânicos sem certificação. Brasília, DF, 2008. Disponível em: . Acesso em: 23jun. 2017.

BRASIL. Lei nº 10.831de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Decreto nº 6.323, de 27 de dezembro de 2007. Regulamenta a Lei n° 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Lei 11.326 de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Instrução Normativa nº 50 de 05 de novembro de 2009. Institui o selo único oficial do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (SisOrg). Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa paga até 30% a mais por orgânicos. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Decreto n° 9.064, de 31 de maio de 2017. Dispõe sobre a unidade familiar de produção agrária, institui o cadastro nacional da agricultura familiar e regulamenta a lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006 que estabelece as diretrizes para a formulação da PolíticaNacional da Agricultura Familiar e empreendimentos familiares rurais. Disponível em:. Acesso em: 22 jun. 2017.

BUAINAIN, A. M. Alguns condicionantes do novo padrão de acumulação da agricultura brasileira. In: BUAINAIN, A. M.; ALVES, E.; SILVEIRA, J. M. da; NAVARRO, Z. (Orgs). O mundo rural no Brasil do século 21: A formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2014. v.1.

CELESTRINO,R. B.; ALMEIDA, J. A de; SILVA, J. P. T. da; LUPPI, V. A. S.; VIEIRA, S. C. Novos olhares para a produção sustentável na agricultura familiar: Avaliação da alface americana cultivada com diferentes tipos de adubações orgânicas.Revista Eletrônica Competências Digitais para Agricultura Familiar v. 03, n. 01. ISSN: 2448-0452. Disponível em. Acesso em 2 set. 2017.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

DAROLT, M.R. Agricultura Orgânica: inventando o futuro. Londrina: IAPAR, 2002. 250p. Disponível em . Acesso em 15 jul. 2017.

DAROLT. M.R. Alimentos orgânicos: um guia para o consumidor consciente /Moacir Roberto Darolt – 2. ed. rev. ampl. – Londrina: IAPAR, 2007. 36 p. Disponível em . Acesso em 09 set. 2017.

ECOCERT. Regulamentos orgânicos internacionais. 2017. Disponível em < http://brazil.ecocert.com/regulamentos-organicos-internacionais>. Acesso em 15 ago. 2017.

FAO. Organización de las naciones unidas para la agricultura y la alimentación. Organización Mundial de la Salud. Programa Conjunto FAO/OMS sobre as Normas Alimentarias Comisión del Codex alimentarius. Codex Alimentarium: alimentos producidos orgánicamente. Roma: FAO, 2001.

FERRARI, D. L. Cadeias agroalimentares curtas: a construção social de mercados de qualidade pelos agricultores familiares em Santa Catarina. 2011. 345 f. Tese de Doutorado (Doutorado em Desenvolvimento Rural) - Faculdade de Ciências Econômicas, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Porto Alegre, 2011.

FLATEN, O.; LIEN, G.; KOESLING, M.; LOES, A. K. Norwegian farmers ceasing certified organic production: characteristics and reasons. J. Environ. Manag., v. 91, n. 12, p. 2717-2726, 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

GIL, I. C. Nova Alta Paulista: 1930 – 2006. Do desenvolvimento contido ao projeto político regional. São Paulo: Scortecci Editora, 2008.

GIUCA, S. Understanding the short chain. In: GIARÈ, F.; GIUCA, S. (Ed.). Farmers and short chain:Legal profiles and sócio-economic dynamics. Istituto Nazionale di Economia Agrária (INEA), 2013. p 11-27.

IBD. Instituto Biodinâmico. Selo Bio Suisse é uma organização privada dos produtores orgânicos suíços. Disponível em < http://ibd.com.br/pt/BioSuisse.aspx>. Acesso em 28 set. 2017

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Relatório Brundtland. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

PENTEADO, S. R. Introdução à Agricultura Orgânica: Normas e técnicas de cultivo. Campinas: Editora Grafimagem, 2000. 110 p.

PRIMAVESI, A. In: Visita à Fazenda São Geraldo. Três Corações, Abr. 2006.

SANTOS, N.C.B; MATEUS, G.P. Visão ambiental da Produção Orgânica de Alimentos. Pesquisa & Tecnologia, vol. 9, n. 2, Jul-Dez 2012.

SILVA, D. M.; CAMARA, M. R. G.; DALMAS, J. C. Produtos orgânicos: barreiras para a disseminação do consumo de produtos orgânicos no varejo de supermercados em Londrina, PR. Semina: Ciênc. Soc. Hum., v. 26, n. 1, p. 95-104, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Apresentação | Template para submissão de trabalhos | Expediente | Foco e Escopo | Políticas de Seção | Política de Acesso Livre | Política de Privacidade | Processo de Avaliação pelos Pares | Periodicidade | Declaração de Direito Autoral | Diretrizes para Autores | Normas para Publicação | Submissões Online | Corpo Editorial | Contato | Patrocínio da revista | Mapa do Portal