Novos olhares para a produção sustentável na Agricultura Familiar: avaliação da alface americana cultivada com diferentes tipos de adubações orgânicas.

Renan Borro Celestrino, Juliano Antoniol de Almeida, João Pedro Tavares da Silva, Vitor Antônio dos Santos Luppi, Silvia Cristina Vieira

Resumo


O objetivo geral deste trabalho foi avaliar a resposta da Alface Americana, quanto ao seu desenvolvimento, utilizando diferentes adubações orgânicas. De maneira específica, objetivou-se delinear o potencial mercado para alimento com produção agroecológica, dando ênfase para agricultura familiar e buscar alternativas para comercialização legal destes produtos por meio de agricultores familiares, baseado na Lei nº 10.831/2003. A coleta de dados sobre a resposta da alface à adubação teve delineamento experimental inteiramente casualizado, com cinco tratamentos e quatro repetições. Trata-se de uma pesquisa descritiva, exploratória. Por meio de levantamento bibliográfico, concluiu-se que a inserção no sistema de produção agroecológico – orgânico é oportuno para estabelecer competitividade na agricultura familiar, no setor produtivo primário da cadeia produtiva da olericultura, onde a Alface Americana encontra-se entre as principais variedades cultivadas. Observou-se que a adubação com esterco de galinha curtido apresentou maior desenvolvimento da Alface em relação aos demais tratamentos. O mercado consumidor confirma demanda por alimentos saudáveis destacando as hortaliças. Para comercialização legal, os alimentos orgânicos são identificados por um selo. A legislação brasileira estabelece três instrumentos de garantia: certificação por terceira parte, sistemas participativos de garantia e o controle social para a venda direta sem certificação. Este último, apontado para agricultores familiares.

Palavras-chave


Hortaliças; Sustentabilidade; Agricultura orgânica; Agroecologia; Agricultura Familiar

Texto completo:

PDF

Referências


BEZERRA, G. J.; SCHLINDWEIN, M. M. Agricultura familiar como geração de renda e desenvolvimento local: uma análise para Dourados, MS, Brasil. interações, Campo Grande, v. 18, n. 1, p. 3-15, jan./mar. 2017.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo. Controle social na venda direta ao consumidor de produtos orgânicos sem certificação. Brasília, DF, 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2017.

BRASIL. Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Decreto nº 6.323, de 27 de dezembro de 2007. Regulamenta a Lei n° 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Lei 11.326 de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Instrução Normativa nº 50 de 05 de novembro de 2009. Institui o selo único oficial do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (SisOrg). Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa paga até 30% a mais por orgânicos. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BRASIL. Decreto n° 9.064, de 31 de maio de 2017. Dispõe sobre a unidade familiar de produção agrária, institui o cadastro nacional da agricultura familiar e regulamenta a lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006 que estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e empreendimentos familiares rurais. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

BUAINAIN, A. M. Alguns condicionantes do novo padrão de acumulação da agricultura brasileira. In: BUAINAIN, A. M. et al. (Org.). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2014. v. 1.

CASTRO, C. M. et al. Adubação verde como fonte de nitrogênio para a cultura da berinjela em sistema orgânico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Braília, DF, v. 39, n. 8, p. 779-785, ago. 2004.

CAVICHIOLI, J.C. et al. Uso de câmara úmida em enxertia hipocotiledonar de maracujazeiro-amarelo sobre três porta-enxertos. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 31, n. 2, p. 532-538, jun. 2009.

CELESTRINO, R. B. et al. Avaliação da alface americana cultivada com diferentes tipos de adubações orgânicas. Revista Omnia. Agrárias, Adamantina, v. 19, n. 1, p. 11-11, 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2007.

CONEJERO, M. A.; TAVARES, L. S.; NEVES, M. F. Produtos orgânicos: o que é, dimensões e como se habilitar. In: NEVES, M. F. (Coord.) Agronegócios e desenvolvimento dustentável: uma agenda para liderança mundial na produção de alimentos e bioenergia. São Paulo: Atlas, 2009.

EMBRAPA. Agricultura familiar e a difusa conceituação do termo. Hortaliças em revista, Brasília, DF, ano III, n. 14, p. 1-20, set./dez. 2014. Disponível em . Acesso em: 24 mar. 2017.

FAULIN, E. J.; AZEVEDO, P. F. Distribuição de hortaliças na Agricultura familiar: uma análise das transações. Informações Econômicas, São Paulo, v. 33, n. 11, p. 24-37, nov. 2003. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2017.

FERRARI, D. L. Cadeias agroalimentares curtas: a construção social de mercados de qualidade pelos agricultores familiares em Santa Catarina. 2011. 345 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) - Faculdade de Ciências Econômicas, Porto Alegre, 2011.

GIUCA, S. Understanding the short chain. In: GIARÈ, F.; GIUCA, S. (Ed.). Farmers and short chain: legal profiles and sócio-economic dynamics. Roma: Istituto Nazionale di Economia Agrária (INEA), 2013. p. 11-27.

GLIESSMAN, S. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2000.

GOLYNSKI, A. A. et al. Cultivo de alface sob diferentes adubações. Horticultura Brasileira, v. 29, p. S1604-S1609, 2011.

HAMERSCHIMIDT, I. Agricultura orgânica: conceituações e princípios. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 38., 1998, Petrolina. Anais eletrônicos... Petrolina: ART&MIDIA, 1998. 1 CD-ROM.

INSTITUTO DE PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO. Perfil do mercado orgânico Brasileiro como processo de inclusão social. Curitiba, 2010. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2017.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 189-205, 2003.

JAGGER, I. C. The Imperial strains of lettuce. Washington: United States Department of Agriculture, 1941. (Circular, 596).

KATAYAMA, M. Nutrição e adubação de alface, chicória e almeirão. In: SIMPÓSIO SOBRE NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE HORTALIÇAS, 1990, Jaboticabal. Anais... Piracicaba: POTAFOS, 1993. cap. 4, p.141-148.

KHATOUNIAN, C. A. A Reconstituição ecológica da agricultura. Botucatu: Agroecológica, 2001.

MARTINS, G. A. Estatística geral e aplicada. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARSDEN, T.; BANKS, J.; BRISTOW, G. Food supply chain approaches: exploring 115 their role in rural development. Sociologia Ruralis, Assen, v. 40, n. 4. p. 424-438, Oct. 2000. Disponível em: . Acesso em: 1 abr. 2017.

MELLO, J.C. et al. Efeitos do cultivo orgânico e convencional sobre a vida-de-prateleira de alface americana. Ciência Tecnológica de Alimentos, Campinas, v. 23, n. 3, p. 418-426, set./dez. 2003.

NASCIMENTO, W. M. Produção de sementes de hortaliças para a agricultura familiar. XII Curso sobre Tecnologia de Produção de Sementes de Hortaliças Mossoró/RN – 22 a 24 de outubro de 2012. Disponível em . Acesso em: 22 jun. 2017.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). The Bioeconomy to 2030: designing a policy agenda. 2009. Disponível em . Acesso em: 23 jun. 2017.

OLIVEIRA, A. L. R.; CAMARGO, S. G. C. Logística reversa de embalagens de agroquímicos: identificação dos determinantes de sucesso. Interciência, Caracas, v. 39, n. 11, p. 780-787, 11. 2014.

ORGANIC WORD. The World of Organic Agriculture 2010. c2012. Disponível em . Acesso em: 23 jun. 2017.

ROTOLI, L. U. M. Análise da relação entre produtor e consumidor vinculados à CSA (Community Supported Agriculture) do estado de São Paulo sob a ótica da economia dos custos de transação. 2016. 130 f. Dissertação (Mestrado em Agronegócio e Desenvolvimento) - Faculdade de Ciências e Engenharia, Universidade Estadual Paulista, Tupã, 2016.

SACARABELOT, M.; SCHNEIDER, S. As cadeias agroalimentares curtas e desenvolvimento local: um estudo de caso do município de Nova Veneza/SC. Revista Faz Ciência, Porto Alegre, v. 15, n. 20, p. 101-130, jan./jun. 2012.

SEBRAE. Catálogo brasileiro de hortaliças: espécies mais comercializadas no Brasil. Brasília, DF, 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2017.

SILVA, N. R.; CAMARGO, A. P. F.; WANGEN, D. R. B. Produção orgânica de alface adubada com diferentes tipos de compostos orgânicos. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 9, n. 17, p. 2151, 2013.

TRANI, P. E. et al. Adubação orgânica de hortaliças e frutíferas. Campinas: IAC. 2013. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2017.

VIEIRA, S. C., BERNARDO, C. H., JUNQUEIRA, L. F. Agroecologia: a política pública de ater legitimando o desenvolvimento sustentável no campo. Fórum Ambiental da Alta Paulista, Tupã, v. 11, n. 9, p. 128-147, 2015. Disponível em . Acesso em: 23 mar. 2017.

VIEIRA, S. C., MARQUES, M. D. BRAGA, S. A política pública da logística reversa das embalagens vazias de agrotóxicos e sua interface com o desenvolvimento rural sustentável. INTERNATIONAL MEETING OF AGRARIAN SCIENCE AND TECHNOLOGY, 1., 2016, Dracena. Anais eletrônicos..., Dracena: Unesp, 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2017.

VRIES, I. M. Origin and domestication of Lactuca sativa L. Genetic Resources and Crop Evolution, Dordrecht, v. 44, n. 2, p. 165-174, 1997.

WHITACKER, G. M. Agricultura orgânica: estratégia capitalista para a (re)produção do espaço rural. Revista de Geografia em Atos, Presidente Prudente, v. 1, n. 12, p.75 – 94, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2017.


Apontamentos





Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Apresentação | Template para submissão de trabalhos | Foco e Escopo | Políticas de Seção | Política de Acesso Livre | Política de Privacidade | Processo de Avaliação pelos Pares | Periodicidade | Declaração de Direito Autoral | Diretrizes para Autores | Normas para Publicação | Submissões Online | Corpo Editorial | Contato | Patrocínio da revista | Mapa do Portal