A informática como ferramenta de inclusão: a experiência da Univasf com agricultores familiares.

Lucia Marisy Souza Ribeiro de Oliveira, Marcia Bento Moreira, Luciana Souza Oliveira, Jaldo Pereira Lopes

Resumo


O objetivo desse relato é socializar vivências realizadas pela UNIVASF – Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) sobre a inclusão de agricultores familiares na linguagem computacional por meio da alfabetização científica e ações integradas, levando em conta as dimensões ética, social, política, cultural, econômica e ambiental sustentável, através de processos educativos. A metodologia de ação contemplou o envolvimento de docentes e discentes da UNIVASF e do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na promoção e animação de estratégias participativas, capazes de contribuir para a construção do desenvolvimento territorial e o fortalecimento da agricultura familiar. A ênfase foi na pedagogia da prática, na geração e apropriação coletiva de conhecimentos, onde o ponto de partida foi a realidade e os saberes locais. Na prática, isso se traduziu no resgate da história, na identificação de problemas, no estabelecimento de prioridades e planejamento de ações para alcançar objetivos compatíveis com os interesses, necessidades e possibilidades dos resultados na replicabilidade das soluções encontradas para situações semelhantes em diferentes ambientes. Os resultados obtidos dão conta da viabilidade de trazer para o interior da academia as populações historicamente negligenciadas, para que haja a troca de saberes popular e científico, resultando daí, novas formas de ensinar e de aprender.

Palavras-chave


Inclusão digital; Agricultores familiares; Educação no e do campo; Informática; Alfabetização científica

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, M. G. Formação de educadores e educadoras do campo. Brasília, DF: Ministério da Educação e Cultura, 2007.

BOTOMÉ, S. P. Pesquisa alienada e ensino alienante: o equívoco da extensão universitária. Petrópolis: Vozes; EDUCS; EDUFSCAR, 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1988. São Paulo: Saraiva, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n° 36/2001. Diretrizes Operacionais da Educação Básica para as Escolas do Campo. Brasília, DF, 2003. Disponível: . Acesso em: 13 jun. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Referências para uma política nacional de educação do campo. Brasília, DF, 2004. Disponível em: . Acesso em 13 jun. 2017.

CALDART, R. S. Por uma educação básica do campo: traços de uma identidade em construção. In: ARROYO, M. G.; DALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (Org.). Por uma educação básica do campo. Petrópolis: Vozes, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

MESZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

PASSADOR, C. S. A educação rural no Brasil: o caso da escola do campo do Paraná. São Paulo: Annablume, 2006.

SAVIANI, D. Educação: do censo comum à consciência filosófica. São Paulo: Autores Associados; Cortez, 2005


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Apresentação | Template para submissão de trabalhos | Foco e Escopo | Políticas de Seção | Política de Acesso Livre | Política de Privacidade | Processo de Avaliação pelos Pares | Periodicidade | Declaração de Direito Autoral | Diretrizes para Autores | Normas para Publicação | Submissões Online | Corpo Editorial | Contato | Patrocínio da revista | Mapa do Portal